terça-feira, 13 de outubro de 2009

QUER SER FELIZ?


“Bem aventurados os impolutos em seus caminhos, que andam na lei do Senhor.” Salmos 119:1

Bem aventurados. O salmista se sente tão arrebatado pela lei do Senhor que considera como estando conformado a ela seu mais elevado ideal de bem aventurança. Ele está olhando admirado para as belezas da lei perfeita, em outras palavras ele diz: “Bem aventurado é o homem cuja vida é a transcrição prática da vontade de Deus.”
Nosso desejo por felicidade não deve se3r maior do que o de sermos perfeitamente santos. Quando buscamos ser perfeitamente santos, a felicidade acompanha a santificação. É possível que o escritor tenha elaborado sob o senso de sua própria falha, e portanto “invejado” a bem aventurança daqueles cuja vida havia sido mais perfeita e santa que a dele; aliás, a própria contemplação da lei perfeita do Senhor na qual ele agora tem ingresso fosse suficiente para leva-lo a deplorar (lamentar, chorar, lastimar) suas imperfeições pessoais e a suspirar pela bem aventurança de um viver sem mácula.

Davi, assim como cada um de nós, foi falho e cometeu vários delitos; mas o que mais me chama a atenção, é a vontade de não errar (isso chama-se arrependimento) e viver uma vida íntegra perante Deus.
Estranho o fato de algumas pessoas não entenderem que isso pode ocorrer conosco; errar, se arrepender e consertar a vida! Paulo disse: “Aquele que está de pé, olhe para que não caia” e João completa: “Se alguém pecar, temos um advogado para com Deus o Pai: Jesus Cristo, o justo”.

Muitas vezes, sai de nossas bocas palavras não edificantes e julgadoras. Tiago fala disso: “da mesma língua procede bênção, como maldição”. O Senhor conhece a cada coração e é Ele quem pode saber a intenção de cada um de nós!

É bom abrir nossa boca com bênçãos. Quando não podemos concede-las, podemos apontar o caminho de sua obtenção; e ainda quando nem mesmo as possuamos, pode ser proveitoso contempla-las, para que nossos desejos sejam exercitados e nossas almas movidas a busca-las. A Lei do Senhor é muito proveitosa e são as Palavras de vida e bem aventurança!

Senhor, se não sou ainda tão abençoado ao ponto de não ser ainda contado entre os imaculados em teu caminho, contudo meditarei incessantemente na felicidade que desfrutam, e a porei diante de meus olhos como uma ambição a ser concretizada em minha vida.

Do modo como Davi começa seu Salmo, os jovens deveriam começar suas vidas; os recém convertidos deveriam iniciar sua profissão de fé; todos os cristãos deveriam começar cada dia. O bom começo já é meio triunfo!

O homem começou sendo bem aventurados em sua inocência; e se nossa raça caída visa ser bem aventurada outra vez, então ela deve encontrar a bem aventurança onde a perdeu no princípio, ou seja, conformando-se com os mandamentos do Senhor.

Os impolutos em seu caminho. Estão no caminho; o caminho reto; o caminho do Senhor; e guardam o caminho. Esses desfrutam de bem aventuranças em suas próprias almas;
Bem aventurado é aquele cuja a vida é, no sentido cristão, impoluta, ou seja, sem mácula, porque jamais lhe seria possível alcançar esse ponto de infindas bênçãos, ainda que não houvessem sido derramadas. Somos por natureza impuros e extraviados do caminho; e por isso temos que ser lavados no sangue expiador para que a impureza seja removida, e temos que ser convertidos pelo poder do Espírito Santo, do contrário não nos ingressaremos na vereda da paz, nem seremos íntegros em seu percurso. Mas isso não é tudo, pois faz-se necessário que o poder contínuo da graça mantenha o cristão na vereda direita e o preserve da poluição. É preciso que todas as bênçãos do pacto sejam, em certa medida, derramadas sobre aqueles que, dia a dia, são capacitados a aperfeiçoar sua santidade no temor do Senhor. Sua vereda é a evidência de serem os bem aventurados do Senhor!
Sem dúvida, quanto mais profunda é nossa santificação, mais intensa é a nossa bem aventurança. Cristo é o nosso caminho, e não só estamos vivos em Cristo como também devemos viver nele. O lamentável é que nós salpicamos sua santa vereda com nosso egoísmo, nossa vanglória, nossa obstinação e nossa carnalidade, perdendo com isso, em grande medida, a bem aventurança que se acha nele como nosso caminho. O cristão que erra continua salvo, porém deixa de experimentar a alegria de sua salvação; continua redimido, porém não enriquecido; muitíssimo disposto, porém não muitíssimo abençoado.

Que andam na lei do Senhor. Neles se acha presente a santidade habitual. Seu andar, sua vida cotidiana, é de obediência ao Senhor. Vivem de acordo a uma norma, que é segundo o mandamento do Senhor Deus. Quer comam, quer bebam, quer façam qualquer outra coisa, tudo fazem no nome de seu grande Mestre e Modelo. Aquele que anda na lei de Deus, anda na companhia de Deus, é portanto abençoado; desfruta do sorriso de Deus; da força de Deus; da intimidade com Deus: como não seria ele abençoado?
A lei do Senhor não é enfadonha para uma pessoa que anda com Deus, fazendo Suas vontades; seus mandamentos não são penosos; suas restrições, não os tornam como escravos. Para essa pessoa é fácil visualizar a lei do Senhor de uma forma especial, não visualizam como uma lei impossível - teoricamente admirável, praticamente absurda.

Se eu ando nas veredas do Senhor, eu não a consulto de vez em quando; mas uso como uma bússola, um mapa, tipo guia, um navegador diário, necessário para a condução da minha nau.
O andar contínuo na lei do Senhor é o melhor testemunho da bem aventurança de tal condição de vida. Sim, são bem aventurados que gozam desse andar com o Senhor, respeitando sua lei e guardando!

Áspero pode ser o caminho; inflexível, a regra; severa, a disciplina – disso temos plena consciência. Todavia, um acúmulo de milhares de bem aventuranças ainda se encontra no viver piedoso, pelo quê bendizemos ao Senhor.
Temos neste bendito trecho da Palavra de Deus, cinco coisas que aquele que anda na lei do Senhor desfruta: 1. um caminho bendito; 2. uma pureza bendita; 3. uma lei bendita, dada pelo Senhor bendito; 4. um abençoado caminhar nele; 5. o bendito testemunho do Espírito Santo de quem é bendito do Senhor!

Conclusão: Devemos almejar a bem aventurança que é posta diante de nós, mas não devemos imaginar que podemos obtê-la sem esforço nenhum. Davi teve razão em escrever este Salmo tão longo e solene; ele nos sugere que não se aprende num só dia o método da perfeita obediência; é necessário que haja preceito sobre preceito, norma sobre norma; e depois de esforços bastante prolongados, pondo-nos diante do versículo 176 deste Salmo, é possível que ainda clamemos: “Desgarrei-me como uma ovelha perdida; busca teu servo, pois não me esqueço de teus mandamentos.”
Entretanto, nosso plano deve ser guardar a Palavra do Senhor no nosso objetivo central de nossa mente; pois este discurso sobre a bem aventurança tem por seu clímax o testemunho do Senhor, e unicamente pela comunhão diária com ele, mediante Sua Palavra, é que podemos nutrir a esperança de aprender seu caminho, ser purificados de toda a mácula e esforçar-nos por andar em seus estatutos.

Tomando como ponto de partida esta exposição sobre a bem aventurança, visualizamos o caminho para ela, e sabemos onde sua lei pode ser encontrada. Oremos para que, prosseguindo em nossa meditação, se envolvamos o hábito de andar em obediência, e por fim sintamos a bem aventurança da qual lemos aqui.
Que Deus abençoe!
Ricardo Hilário

Nenhum comentário:

Postar um comentário