segunda-feira, 23 de abril de 2012

QUAL O MEU EDIFÍCIO?

  “E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha,” I Coríntios 3.12

Introdução: Entendo a situação em que a Igreja estava e andava se conhecer o contexto histórico e localização da cidade de Corinto. No texto em questão, o apóstolo Paulo mostra em palavras simples sobre o Fundamento da Igreja, que não pode ser mudado, e como os crentes estavam edificando seu edifício espiritual. Através do sacrifício de Jesus, temos a pedra fundamental da minha vida espiritual, porém o edifício quem constrói sou eu.
Posso entender um pouco mais o que Paulo exortou se entender cada material e fizer as devidas aplicações em minha vida. Existem dois tipos de crentes: Trabalhadores e Acomodados.
ü Os trabalhadores são aqueles que fazem GRANDES esforços, porém tem GRANDES resultados. Esses vão fundo para conseguirem os melhores materiais para sua edificação.
ü Os acomodados são aqueles que fazem PEQUENOS esforços e seus esforços são a quantia de seus PEQUENOS resultados. Esses vão até ali, fazem o mais fácil.

Que crente eu sou? Qual o valor do edifício que estou fazendo sobre o fundamento, que é inabalável?
1.     Ouro
O Ouro 24k é puro, não tem misturas, conhecido como ouro 1000 e, por ser muito macio, não é indicado para confeccionar joias.
O 18k tem 25% de mistura de metais nobres. É o ouro padronizado para confecção de joias.
Que casa maravilhosa, com paredes de ouro puro!
2.     Prata
A prata 925 contém 7,5% de cobre usado como liga. A prata 950 contém 5% de liga, é a chamada prata de lei. Tem alto brilho e ótimo grau de dureza, sendo usada em joias artesanais. A prata que tem menor valor é a 900 (ou 90), que banha objetos de latão, cobre, ferro e outros. A prata pura possui o teor de pureza igual a 1000 e não serve para fabricação de joias porque tem grau de dureza baixa. Só se usa em filigranas. A prata leve é uma mistura de metais leves, ouro e prata pura. As joias dessa linha possuem brilho e leveza únicos.
Casa prateada, há quem prefira a prata ao amarelo do ouro.
3.     Pedras preciosas
A pedra preciosa mais cara do mundo é o diamante vermelho, cotado a 15 bilhões de reais o quilate (200mg). A mais rara é o amolite, uma pedra muitíssimo rara muito cultuada pelos seguidores do feng shui (dizem que ela traz boa sorte a quem possui). E por fim a pedra mais bonita do mundo, depende muito do gosto, eu por exemplo  gosto do topázio london blue, que se trata de um topázio branco, e após ele passar por um processo de choque térmico em altíssima temperatura em um forno especial, passa a ter uma coloração azul, magnificamente bela. É dado o nome de london blue, por lembrar o azul do céu de Londres.

O Nano Car ficou conhecido por ser o carro mais barato do mundo. Mas uma versão especial do veículo lançada na Índia custa o equivalente a R$ 8,5 milhões.
O modelo é revestido de 80 kg de ouro, 15 kg de prata e muitas pedras preciosas.
Cerca de trinta joalheiros trabalharam no revestimento do veículo. Fonte: Estadão

Esses tem o valor eterno! Ou será que alguma joia egípcia, maia, inca ou mesmo aquela herança, aqueles ouro, colares... dos bisavós perdem valor?

4.     Madeira
A madeira é um material produzido a partir do tecido formado pelas plantas lenhosas com funções de sustentação mecânica. Sendo um material naturalmente resistente e relativamente leve, é frequentemente utilizado para fins estruturais e de sustentação de construções. É um material orgânico, sólido, de composição complexa. Caracteriza-se por absorver facilmente água.
Casa de madeira, bonita mas não tão resistente e valiosa quanto as outras anteriores.
5.     Feno
O feno é uma mistura de plantas ceifadas e secas, geralmente gramíneas e leguminosas, usada como forragem para o gado, mediante a desidratação que retira a água, mas mantendo o valor nutritivo e permitindo sua armazenagem por muito tempo sem se estragar.
Casa de Feno. Dificilmente alguém conseguiria ficar por muito tempo dentro. Não tem segurança alguma e nem valor.
6.     Palha
Palha consiste num subproduto vegetal de algumas gramíneas (capins, grama...), sobretudo cereais que, após desidratadas, são usadas em indústria ou como forragem animal.
Achei uma definição curiosa: “Palha, ao menos aqui no Rio Grande do Sul, significa pessoa que diz que vai fazer algo mas não faz.”
Casa de palha. Pior do que a casa de Feno.

Esses são perecíveis, basta um pouco para se acabarem.

Conclusão: Deus quer que eu tome uma posição! Como estou construindo meu edifício? Ainda é tempo de recomeçar a construção. O fogo de Deus passa a cada dia, provando minhas paredes. Quando são materiais de um acomodado, o fogo destrói, mas quando são materiais dos trabalhadores, o fogo purifica as paredes e ficam a cada dia mais reluzentes.

Que Deus abençoe!
Ricardo Hilário


segunda-feira, 16 de abril de 2012

A VITÓRIA DA FÉ!


“ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” Hebreus 11.1
 
 CHEQUE EM BRANCO
John McNeil, pastor nas ilhas britânicas, relata que certa vez pastoreou uma igreja que tinha pesadas dívidas. Isso o preocupava, e ele orou muito a respeito.
Certo dia um estranho foi ao seu escritório e disse-lhe que tinha conhecimento da dívida da igreja e se ofereceu para ajudar.
A seguir, deixou um cheque em branco sobre a escrivaninha do pastor e o instruiu a levantar o valor exato da dívida e preencher cheque na quantia necessária, prometendo retornar mais tarde para assinar o cheque.
O pastor não podia crer no que acabara de ouvir. Depois que o desconhecido partiu, ele começou a racionalizar: "Isso não pode ser  verdade. Será que esse homem entende que nossa dívida chega a milhares de libras? Duvido que pagasse tudo, se soubesse o total. Mas, ele me mandou colocar o valor completo. Não, isso  seria injusto; seria querer tirar vantagem. Vou  colocar só a metade do valor." E foi o que ele fez.
Quando o estranho retornou, assinou o cheque sem hesitar. Obviamente estava falando sério.
O benfeitor da igreja era um filantropo muito rico. Quando o pastor entendeu que o homem era plenamente capaz de cobrir a dívida, desejou ter escrito o valor total que a igreja devia, mas era tarde demais...

A fé faz com que:

1.    Acreditemos que receberemos o que pedimos: “Peça-a, porém, com fé, não duvidando; pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, que é sublevada e agitada pelo vento. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa, homem vacilante que é, e inconstante em todos os seus caminhos"  Tiago 1.6-8.

O pedido deve ser feito com fé, em nada duvidando. O homem que vai a Deus com o seu pedido deve estar certo de que quer o que pede. Tiago compara um homem que duvida com a onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Tal homem "não pode esperar nada de Deus" (Phillips). Ele é um homem de ânimo dobre, isto é, um homem de fidelidade dividida. Ele faz reservas mentais sobre a oração em si mesma e sobre o que pede de Deus.

2.    Acreditemos que ainda que tudo pareça estar mau, o Senhor é conosco e nos ajuda: “Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas. (Para o cantor-mor sobre os meus instrumentos de corda).” Habacuque 3.17-19

A menção da figueira, da videira, da oliveira, dos cereais e dos rebanhos abrange toda a linha dos produtos agrícolas dos quais a nação dependia. Presumivelmente a razão para o fracasso das colheitas fosse à invasão caldéia. As tropas inimigas não só acabavam com a terra, mas com frequência e deliberadamente destruíam árvores e colheitas. Uma antiga crônica egípcia gaba-se de que os soldados egípcios arruinaram as árvores frutíferas de uma planície costeira da Palestina.
A ruína tão vivamente descrita leva o profeta não ao desespero, mas a fé no seu Senhor.

             3. Acreditemos e confiemos na vida eterna que temos em Cristo: “E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?” João 11.26

O crente pode morrer, como Lázaro, mas pelo poder de Cristo viverá, isto é, experimentará a ressurreição. Mas ainda mais importante é a posse da vida eterna obtida mediante a fé em Cristo. Aqueles que têm esta vida não podem morrer nunca no sentido de serem separados da fonte da vida. “Crês tu isto?”

   4.    Acreditemos na vitória que Jesus voltará para nos buscar: “Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” Atos 1.11

Os anjos informaram aos apóstolos que esta experiência não era uma repetição da Transfiguração (Lc. 9:27-36). Jesus partia, mas um dia retornaria à terra da mesma maneira visível e gloriosa pela qual se ausentara. A expectativa da volta corporal de Cristo é o centro da fé cristã.

Conclusão: Exercite sua fé! O que você tem pedido para Deus? Qual a sua confiança no Senhor? Você tem certeza de sua imortalidade com Cristo? Você está esperando a volta de Cristo para nos buscar?
No exercício da fé, faço das palavras de Spurgeon as minhas: “Me encontre no céu!”

Que Deus abençoe!
Ricardo Hilário

quarta-feira, 4 de abril de 2012

ACESSO LIVRE A DEUS


A Sexta-Feira da Paixão foi o dia em que se rasgou o véu do templo em Jerusalém: "Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo..." (Mt 27.51). Em 1 Coríntios 11.26 está escrito: "...anunciais a morte do Senhor, até que ele venha." Mesmo que os sofrimentos de Jesus Cristo e Sua morte na cruz sejam o centro das pregações nas igrejas nestes dias da Páscoa, quando não se inclui o final do versículo, "...até que ele venha", isso é somente tradição cristã sem esperança viva.
Quando Jesus estava dependurado na cruz, cheio de dores, carregando os seus e os meus pecados, no momento de Sua morte, o véu do templo rasgou-se de cima a baixo. Tão inimaginável quanto foi o véu abrir-se sozinho e rasgar-se em duas partes, também será extraordinária a volta do Senhor. Quando Jesus, naquela ocasião, passou da vida para a morte, pela Sua morte Ele abriu esse véu do templo. Posteriormente Ele próprio entrou no Santo dos Santos: "Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos..., porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus" (Hb 9.24). Quando Ele disse triunfalmente "Está consumado!" (Jo 19.30), e por último gritou em alta voz: "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!" (Lc 23.46), o véu do templo rasgou-se em duas partes (v.45). Ao comemorarmos a Sexta-Feira da Paixão e a Páscoa, deveríamos prestar atenção também no véu, na cortina do santuário!
Permitam-me comparar figuradamente o que aconteceu no Calvário com a volta de Jesus Cristo, mesmo que a seqüência dos fatos seja invertida. A volta de Jesus – quem sabe quão breve – terá seu início com um alto brado: "Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem... descerá dos céus..." (1 Ts 4.16). Deveríamos ter sempre em mente esses dois contrastes – a morte de Jesus e Sua volta. Pois então vemos, por um lado, o acesso aberto ao Santo dos Santos, onde Jesus entrou, e, por outro lado, figuradamente falando, parece que o véu move-se novamente porque Ele está retornando. Parece que Jesus se prepara para Sua volta. Ele descerá dos céus dada a Sua palavra de ordem, ao ressoar da trombeta. O sumo sacerdote no Antigo Testamento tinha pequenas campainhas na bainha de suas vestes: "...para que se ouça seu sonido, quando entrar no santuário diante do Senhor e quando sair..." (Êx 28.35). Parece que o sonido das campainhas já se faz ouvir detrás da cortina: "Ele vem! Ele virá em breve!" Se você prestar atenção à Bíblia, se você ficar atento à Palavra Profética, pressentirá que Sua volta está próxima!
Deus deu a Seus filhos o encargo: "...anunciais a morte do Senhor...", e isso sempre tendo diante dos olhos Sua volta: "...até que ele venha." Como podemos fazer isso? Principalmente através de nossa maneira de viver.
O véu que se rasgou no templo é uma ilustração do acesso ao Lugar Santíssimo pelo sangue de Jesus. Assim somos exortados a repensar nossas convicções. Vivemos realmente no Santo dos Santos? Ou nos encontramos do lado de fora do véu? Se considerarmos essa situação, as palavras de Filipenses 3.20 tornam-se muito esclarecedoras: "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo." Mesmo vivendo nesta terra, deveríamos viver como se estivéssemos detrás do véu, dentro do Lugar Santíssimo. Isso é viver na pátria celestial, isso é viver na luz!

Artigo extraído do site Chamada.com.br

O FIM DA SOLIDÃO



Recentemente ouvi uma assistente social dizer: “A solidão transformou-se num dos maiores problemas da nossa época. Temos de fazer algo para combatê-la”. Não imagino o que ela pretende realizar, mas sei que nenhuma iniciativa humana solucionará definitivamente a solidão.

Quando Deus criou o ser humano, Ele mesmo queria preencher o coração do homem. Se, entretanto, as pessoas decidem excluir Deus da sua vida, não é de admirar que se sintam solitárias, que seu coração esteja vazio ao invés de repleto da presença divina.

Você não precisa estar necessariamente sozinho para se sentir solitário. Todo coração humano necessita de um amigo – alguém em que possa confiar. Precisamos de alguém que realmente nos conheça e nos entenda, que nos envolva com cuidados, quaisquer que sejam nossos problemas. Onde, entretanto, podemos achar tal amigo? É impossível encontrar um ser humano que nunca nos decepcionará – somente Jesus é o Amigo perfeito!

Apenas Ele tem a resposta para seus problemas. Ele o conhece melhor do que você mesmo. Apesar de tudo, Jesus o ama e cuida de você, de uma forma como ninguém mais seria capaz. Aceite-O como Amigo, e você nunca mais se sentirá solitário. Aliás, como seria possível sentir-se sozinho, se seu melhor Amigo estará sempre com você?

Essas não são teorias, mas certezas baseadas na experiência. É maravilhoso estar sozinho quando você estiver só com Ele. Não é possível expressar esse sentimento em palavras. A companhia humana é algo muito pobre se a compararmos à comunhão com Jesus. Se você estiver consciente da Sua presença dia após dia e hora após hora, seu coração ficará repleto de paz e de alegria indescritíveis.

Você se sente solitário? Precisa de alguém que o ame e cuide de você? Aceite agora mesmo a Jesus como seu Salvador e Amigo! Entregue-se completamente a Ele e confie nEle como seu Redentor. Pense em como Ele sofreu em seu lugar na cruz e removeu de uma vez por todas os seus pecados “pelo sacrifício de si mesmo” (Hebreus 9.26).

Olhando agora para Jesus, confie nEle e no sacrifício perfeito que realizou por você lá na cruz. Então seus pecados serão perdoados, sua vida será salva, renovada e transformada pelo Espírito Santo que passará a habitar em você: “...o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1 João 1.7).

Aceite Jesus agora como seu Salvador, para que seja eternamente seu Amigo, seu Companheiro e seu Guia! Ele acabará com sua solidão. Ninguém precisa continuar solitário, pois é possível ter Jesus, o Filho de Deus, como seu melhor e mais próximo Amigo! 

(C. D. Carter - http://www.chamada.com.br)

Artigo extraído do site Chamada.com.br