quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

QUANDO OS PIEDOSOS MOSTRAM INSENSATEZ

ü A idade por si só, não é garantia de maturidade ou de não cometer erros. Como disse Eliú a Jó: “Os de mais idade não é que são os sábios, nem os velhos os que entendem o que reto” (Jó 32.9);
ü Em seu livro Spiritual Leadership (Liderança Espiritual), J.Oswald Sanders escreveu um capítulo intitulado “O Preço da Liderança”, no qual faz esta declaração:

“Ninguém deve aspirar à liderança na obra de Deus se não estiver preparado para pagar um preço
mais alto que seus contemporâneos e colegas estão dispostos a pagar. A liderança sempre
cobra seus tributos do homem total, e quanto mas eficiente a liderança, tanto maior o preço a ser pago.”

ü Quando um líder espiritual se afasta das coisas de Deus, as conseqüências são no geral devastadoras e sempre de longo alcance. Quando os homens e mulheres que afirmam apresentar a mensagem de Cristo se desviam dela, seja pelos seus atos ou por declarações saídas de seus lábios, eles deixam uma esteira de destruição no corpo de Cristo;
ü Seria esplêndido se nós pudéssemos anunciar que, à medida que envelhecemos, crescemos automaticamente, ou que quanto mais caminhamos com o Senhor tanto mais garantia de imunidade temos contra o pecado. Esse não é, porém, o caso. JAMAIS seremos imunes à atração do pecado. Muitas vezes os que caem mais fragorosamente são os que andaram mais tempo com Deus. Só quando estivermos “com o Senhor” seremos o que deveríamos ser. Não é possível superar nossa tendência para pecar;
ü Em 2 Sm. 24 ( e sua passagem paralela, 1 Cr. 21), há uma descrição vívida de um exemplo trágico disto, na ocasião em que Davi, nos últimos anos de sua vida, cometeu um pecado que afetou milhares de vidas.

EXPLICANDO UMA DECISÃO ERRADA

ü Davi venceu a primeira batalha e também esta com os filisteus. Depois da batalha e da vitória, porém, ele ficou vulnerável. Como já vimos neste estudo, ficamos mais vulneráveis imediatamente depois da vitória;
ü Davi decide, então, contar o povo – 2 Sm. 24.1
ü A sua decisão de contar o povo aponta na verdade duas fraquezas neste momento da vida de Davi:
1. Davi não estava em comunhão com Deus – Não vemos Davi orando, buscando conselho de Deus, ou examinando as Escrituras...
2. Davi não precisava prestar contas a ninguém ao seu redor – um descuido perigoso.

EXPLICANDO UM CORAÇÃO PERTURBADO

ü É por essa razão que Davi era um homem segundo o coração de Deus. Ele não era perfeito, mas até o fim de seus dias seu coração foi sensível a Deus. “Sentiu... bater-lhe o coração”. O termo hebraico é nakah, uma palavra severa. Ela significa “ser atacado, ser assaltado”. De modo ocasional, é usada em referência a uma cidade que veio a ser destruída ou massacrada. Transmite a idéia de ficar ferido ou aleijado. Em outras palavras, bem no fundo do homem interior de Davi havia uma lembrança perturbadora do desagrado de Deus para com a sua atitude.
ü Quando isso acontece, estamos a caminho da cura;
ü O coração de Davi ficou perturbado depois de ter contado o povo, e mais uma vez vemos esse homem dizendo esta palavra difícil: ERREI – 2 Sm. 24.10
ü Quando agimos mal e começamos a ver a destruição resultante do nosso pecado, não temos descanso – pelo menos não por muito tempo, se formos sensíveis aos tratos de Deus conosco;
ü Depois desta declaração genuína, Davi tem uma escolha a fazer. Este é um trecho pouco usual na Escritura. Ao que sabemos, é a única vez em que é dada à pessoa a oportunidade de escolher as conseqüências de seu erro. Deus dá a Davi três opções: 1 Cr. 21. 9-12
1) Três anos de fome;
2) Três meses sendo consumido diante dos adversários; ou
3) Três dias de peste sobre a terra de Israel.
ü Que obstáculo ao pecado seria se, antes do fato, pudéssemos ter uma visão do seu impacto – a tristeza e o sofrimento causados a outros... as perdas que vai acarretar. Não me surpreendo absolutamente ao ler o que Davi disse a Gade: “Estou em grande angústia” (2 Sm 24.14/ 1Cr. 21.13)
ü Davi escolheu a terceira opção. Escolha sábia. Se você quiser graça, caia nas mãos de Deus. Se quiser juízo, caia nas mãos de seus semelhantes. Davi sabia disso;
ü Uma cena trágica se segue quando Davi observa o movimento da espada de Deus por toda a terra de Israel, matando as pessoas, uma após outra. A devastação causada pelo seu ato de insensatez é praticamente insuportável – 2 Sm. 24.15
ü 1 Crônicas 21. 16-17
ü O pecado paga um preço enorme. Os que foram criados na Igreja ouviram isso tantas vezes que essas palavras não causam mais muito impacto. Mas, deveriam! Como alguém expressou com tanta eloqüência: “O pecado não é um bom jardineiro da alma. Ele poda a alma até que tudo que era belo se torna feio; até que todos os seus altos ficam baixos; até que tudo que é promissor vem a ser desperdiçado. A vida se torna então um deserto – ressequido e árido. Fica vazia de propósito. Vazia de felicidade. O pecado não é, portanto, sábio, mas perdulário. Não é uma porta, apenas uma sepultura”
ü Davi levanta um altar e oferece holocaustos e ofertas pacíficas.

APLICAÇÃO PARA NÓS HOJE

1. Viver sem prestar contas a ninguém é flertar com o perigo;
2. Ignorar as conseqüências do pecado é rejeitar a verdade de Deus;
3. Não levar Deus a sério é negar a sua soberania.

Nenhum comentário:

Postar um comentário