quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O FIM DE UMA ERA.

ü A morte de Davi, o maior rei de Israel, marcou o fim de uma era, o encerramento de um período de tempo na terra que jamais pôde ser igualado;
ü Ao examinarmos o registro do fim da vida de Davi no Antigo Testamento, vamos ler o resumo feito por Paulo sobre a vida desse grande rei, ao comentara respeito, séculos depois:

“Porque Davi, na verdade, havendo servido a sua própria geração pela vontade de Deus,
dormiu e foi depositado junto a seus pais e experimentou corrupção.” (Atos 13.36)

ü Todo indivíduo tem um propósito na vida – cada um de nós. São poucos os que têm um grande propósito como Davi, mas ninguém que Deus traz à vida nesta terra é insignificante. A tragédia de todas as tragédias é quando vivemos e morremos sem jamais ter descoberto esse propósito, essa razão especial, ordenada por Deus, para servir a nossa geração. Elas talvez não sejam tão grandes quanto você sonhava, ou podem ir muito além de suas expectativas; mas, qualquer que sejam elas, você precisa encontrá-las e pô-las em prática. Quando os seus dias chegarem então ao ocaso a vida terminar, você se sentirá satisfeito por ter servido ao propósito de Deus com ela;
ü O propósito de Davi era servir como rei e perpetuar a justiça de Israel. Em 1 Crônicas 28 e 29, descobrimos tanto o registro do fim da sua vida como das suas últimas palavras. Neste capítulo final dos seus anos na terra, Davi se envolveu em quatro atividades: refletiu sobre o templo; falou a seu filho Salomão; orou diante do Senhor; e depois se alegrou com a assembléia. Após essas atividades importantes, o maior rei de Israel morreu, encerrando uma era.

REFLEXÕES SOBRE O TEMPLO: UM SONHO NÃO-REALIZADO

ü 1 Cr. 28. 1,2;
ü Enquanto leio este versículo, posso sentir a urgência deste sonho antigo na vida de Davi. Ele viveu e morreu com um desejo frustrado, porque se havia um legado que Davi queria deixar, era construir o templo de Deus;
ü Sinto essa urgência tanto nas palavras quanto no espírito deste versículo, porque sei que no coração de todo indivíduo pensante existe um sonho, um desejo. Quando ninguém está por perto e quando podemos ser absolutamente sinceros conosco mesmos diante de Deus, você e eu alimentarmos certos sonhos, certas esperanças. Todavia. Com base na experiência da vida de Davi, devo dizer que é bem possível que você morra sem realizar esse desejo, e essa será uma das piores coisas do mundo para enfrentar e aceitar;
ü Davi desvia sua atenção para o que Deus fez (1 Cr. 28. 4-8) – Este é o nosso desafio, não é? Podemos viver os últimos anos da nossa vida mergulhados na culpa ou esmagados pelos fracassos do passado. Podemos “consumir-nos” ou podemos dizer: - Pela graça de Deus, fiz o melhor que pude com o que tinha. Reivindico a sua promessa de que, de alguma forma, ele usará o que realmente fiz para sua maior glória. – que atitude maravilhosa a ser tomada no fim da nossa vida!

CONVERSA COM O FILHO: UM GOVERNANTE INEXPERIENTE

ü 1 Cr. 28.9
ü Não nos admiramos ao ver que as primeiras palavras ditas por Davi ao filho foram relativas à piedade.
- Conheça a Deus;
- Sirva a Deus;
- Busque a Deus (v. 9-10)
- Governe o povo.

ORANDO DIANTE DO SENHOR: UM PAI IMUTÁVEL

ü No final, e com naturalidade, Davi caiu de joelhos e pronunciou uma belíssima oração, uma expressão extemporânea da sua adoração do Senhor Deus. Os primeiros versículos são expressões de louvor. O louvor exclui a humanidade e se concentra na exaltação do Deus vivo. – 1 Cr. 29. 10-13;
ü Davi responde aqui espontaneamente a Deus, agradecendo por tudo que ele fizera durante toda a sua vida. Ao pensar na graça generosa de Deus, que deu ao povo coisas boas, uma após outra, seu louvor se transforma em ação de graças – 1 Cr. 29. 13-16;
ü A seguir, o rei intercede pelo povo que governou durante quarenta anos – 1 Cr. 29. 17-20.

JÚBILO DA ASSEMBLÉIA: UM POVO UNIDO

ü 1 Cr. 29. 20,28
ü Que momento sublime aquele! Embora marcasse o fim de uma era, não terminou em tristeza e dor, mas em alegria e regozijo diante de Deus;
ü Quando um homem de Deus morre, nada de Deus morre. Quando um homem de Deus morre, nenhum dos princípios divinos morre. Em lugar algum isso é visto mais claramente do que na vida de Davi;
ü Que lições podemos aprender desse homem? Aprendemos esperança, apesar da sua humanidade. Aprendemos coragem, mesmo em meio ao seu próprio medo. Aprendemos encorajamento e louvor nas canções que brotaram em suas horas de desespero. Aprendemos perdão em seus momentos sombrios. E aprendemos o valor de servir o desígnio de Deus em nossa geração, embora nossos sonhos não sejam realizados.
ü Graças a Deus, que nos mostra em sua palavra, que podemos ser como Davi... um homem segundo o coração de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário